4 Dicas simples para economizar no supermercado

4 Dicas simples para economizar no supermercado

A organização (ou a falta dela) está presente no nosso dia-a-dia e muitas vezes nem nos damos conta!

Você já pensou que chegar na hora em um compromisso e pagar suas contas em dia estão ligadas à organização? São duas coisas bem distintas, que envolvem diferentes tipos de organização – rotina e financeira (sem analisar muito as situações!).
Após nossa mudança para o Canadá me deparei com um tipo de organização de rotina, que impacta diretamente na organização financeira, que até então eu não me preocupava pois nossa situação era bem diferente em São Paulo.

 

Sabe qual?

Compras de supermercado!

Somos apenas duas pessoas em casa e costumávamos ir ao mercado praticamente toda a semana. Comprávamos pequenas quantidades de alimentos e meu marido fazia suas refeições de almoço em restaurantes na região do trabalho. Conclusão: eu cozinhava pouco, apesar de gostar de me aventurar na cozinha!

Chegando aqui, notamos que os hábitos são completamente diferentes, a começar pelo tamanho das embalagens dos alimentos, o que para duas pessoas é muito ruim, pois sempre sobra! Além disso, aqui as pessoas levam a famosa “marmita” para o trabalho, ou seja, passei a cozinhar mais!

Aqui em Moncton existe um mercado de atacado, existem os mercados regulares e existem os mercadinhos (assim como no Brasil). Ao meu ver, a maior diferença é que mesmo no mercado regular o tamanho da embalagem é grande, então corre o risco de vencer rapidamente ou ficarmos comendo a mesma coisa a semana inteira.

 

E por que eu estou te contando tudo isso?

 

Para que você tenha um panorama geral da situação, possa refletir sobre as dicas que falarei a seguir, consiga otimizar suas compras de supermercado e economizar um pouco, já que os gastos com mercado representam uma boa parcela do orçamento familiar!

 

Vamos às dicas?

 

1- Analise o que é válido comprar em um mercado de atacado

Para isso é importante levar em consideração os hábitos alimentares e o tamanho da sua família!

Mercados de atacado são ótimos, mas você precisa ter espaço para guardar os produtos (senão você corre o risco de ter outros problemas) e também gente para comer as grandes porções!

Você pode concluir que nem tudo compensará comprar em um mercado atacado. No nosso caso, compramos apenas os produtos que consumimos em grande quantidade e alguns não perecíveis.

Vale prestar atenção no seguinte: as vezes no atacado você encontra um tipo de produto de limpeza que você usa, com um preço bom e num pacote fechado com 3 unidades. Porém, se você for no mercado regular ou até no mercadinho, você encontrará um produto de uma marca concorrente, tão boa quanto, por um preço mais em conta e podendo comprar apenas uma unidade (que vai te atender perfeitamente por uma a dois meses e/ou que mesmo comprando três unidades, você gastará menos).

Não compre por impulso! Analise antes!

 

2- Fique de olho nas promoções

As promoções são ótimas para se economizar (ou não, se você comprar descontroladamente rsrs), mas no geral elas ajudam a economizar sim!

Alguns estabelecimentos disponibilizam o encarte de promoções no site e também existem alguns aplicativos de celular que disponibilizam essas informações. Com isso, você sabe exatamente onde é melhor comprar o que!

Se o preço estiver muito bom e for um produto que você usa bastante, pode valer a pena fazer um “estoque”, caso contrário, compre apenas para a semana / quinzena ou conforme sua periodicidade de compras.

 

3- Fique de olho nos produtos da estação

Os produtos da estação tendem a ser mais baratos, com isso você economiza e também garante uma qualidade melhor do alimento.

Numa situação como a nossa, que estamos fora do nosso País de origem, estar aberto a novos sabores é fundamental. Nem sempre os produtos são os mesmos que tínhamos, então, temos que experimentar. As vezes o gosto atende o nosso paladar, as vezes não, mas é preciso experimentar!

 

4- Faça um cardápio semanal, para as refeições da casa

Ter um cardápio semanal, era algo que eu não me preocupava (eu ia no mercado toda semana, comprava o que tinha vontade e cozinhava). Aqui tive que mudar meu hábito!

Como compramos muitas coisas em atacado e também pelo fato das embalagens serem grandes, é muito fácil perder alimentos ou comer sempre a mesma coisa!

O cardápio semanal foi a saída para a economia (e a criatividade também!).
Veja os ingredientes que você tem na despensa e quais os tipos de comida que você pode fazer com eles. Faça as combinações da semana e pronto! Desta forma, você evita ter que comprar muita coisa no mercado, já que você vai aproveitar o que já comprou!

Você inclusive ganha tempo e não tem que pensar muito sobre o “que fazer hoje”!

Um exemplo de criatividade: eu compro uma cesta de legumes todos os meses e no último mês vieram muitas batatas (muitas mesmo!). O que fazer com tanta batata? Eu fiz purê, torta, escondidinho, batata rosti… E fui mudando os recheios. Desta forma, eu aproveitei as batatas, variei o cardápio e não perdi o legume!
 

Bom, aqui estão quatro dicas simples para você economizar no mercado.
 

Estou aplicando na minha rotina e esse último mês, além de ter reduzido bastante meus gastos com supermercado, eu me alimentei melhor!

 

Que tal tentar? Depois me conta os resultados!

 

Um beijo e até o próximo post!

 

Eu costumo dizer que sou hoteleira de formação e organizadora por paixão! Além de organizar, adoro viagens, fotos e estar junto dos amigos – sou aquela que sempre fica responsável por organizar os encontros 🙂 Quero ser a sementinha da organização na sua vida! Saiba mais

Lições aprendidas!

Lições aprendidas!

Como combinado, nos últimos posts eu abordei um pouco sobre como foi o nosso processo de vinda para o Canadá, nossos erros, nossos acertos e principalmente como a organização nos ajudou e trouxe leveza para este processo de mudança.

No Post de hoje, eu quero reforçar as lições aprendidas! Ou seja, um apresentar resuminho do que foi já foi escrito, para você ter forma sucinta, refrescar na memória e se inspirar, caso ainda não tenha tomada nenhuma decisão 😊.

 

Vamos lá?!

 

Lição 1: [O processo de imigração e a organização – 1ª parte …] Defina seu objetivo e o conduza como um projeto profissional, aquele que você tem meta, prazo e apresenta resultados.

Aqui, estamos falando especialmente no caso de uma mudança / imigração que exige uma série atividades, mas isso vale para tudo na vida!

 

Lição 2: [O processo de imigração e a organização – 1ª parte …] Organize seus documentos de forma lógica e segmentada. Conforme o espaço que você tem disponível, você pode usar arquivos, caixas, pastas, etc.

Documento fácil de ser encontrado é importante a qualquer momento, inclusive para a declaração do Imposto de renda – rsrs. Mas no caso da imigração são exigidos uma série de documentos e é importante ter tudo a mão, para fazer as comprovações devidas com agilidade.

 

Lição 3: [O processo de imigração e a organização – 2ª parte …] Você não precisa esperar uma mudança de casa para fazer um “desapego”. Comece já! Veja tudo o que você tem e analise se de fato você usa, se tem valor para você, se este item merece um lugar na sua casa (não estou falando só de roupas!). Você vai se surpreender!

O tema “desapego” não se esgota nunca e pode ser abordado por vários ângulos!

No caso de uma mudança como essa, quanto menos coisas você tiver para desapegar, mais tranquila será a hora de fazer as malas e de vender as coisas!

 

Lição 4: [O processo de imigração e a organização – 2ª parte …] A Organização te proporciona mais tempo livre – isto você já sabe, né?! Use esse tempo livre para cuidar de você, mas também para estar perto de quem você ama – dos seus pais, dos seus amigos de infância, de adolescência … dos amigos da vida! Muitas vezes, a gente não dá o devido valor, por saber que a pessoa está ali pertinho, mas valorize e intensifique cada momento, mesmo que você não vá mudar de país!

Abrace, beije, aperte, sinta e aproveite cada momento!

 

Lição 5: [Organizando as malas para sua mudança …] De tudo isso o que eu escrevi, o mais importante é você trazer aquilo que tiver vontade e o que seu coração mandar, pois é uma mudança de vida e tudo o que você não precisa é chegar aqui e ficar pensando no que não trouxe! Apenas pondere o quão importante é para você e o quanto de espaço ocupará na sua mala! Afinal, será uma vida nova, então, vale tentar coisas novas no local escolhido, não é mesmo!

Não traga peso, traga memórias e sentimentos!

 

Lição 6: [Chegamos! E agora? …] Priorize o que é mais importante!

O que é importante para mim, pode não ser para você! Portanto, reflita o que é mais importante para você, pensando nos benefícios que você terá!

 

Lição 7: [Chegamos! E agora? …]  Defina os lugares, de acordo com a funcionalidade de cada coisa e de forma que fique prático para você e sua família no dia-a-dia. Siga esse conceito para todo o resto!

Regrinha básica – definir lugares! Todos os objetos têm que ter uma casinha para chamar de sua! E tão importante quanto definir lugares é devolvê-los ao lugar definido! 😉

 

Lição 8: [Chegamos! E agora? …]  Lembre que você está começando uma vida totalmente nova. Por que não começar novos hábitos e revisar seus conceitos?

Mudança é sempre uma ótima oportunidade para a gente renovar, não é mesmo?!

 

O processo de organização é contínuo e sempre pode melhorar! Os primeiros meses são de adaptação – a gente não conhece bem a localidade, os produtos, os hábitos e vai se adequando aos poucos!  É importante fazer com calma, para não gerar uma sobrecarga nos nosso emocional – um passo de cada vez!

 

Com esse texto eu finalizo os posts sobre o nosso processo de mudança para o Canadá!

Espero que você tenha aproveitado o conteúdo, que ele tenha iluminado seus pensamentos e inspirado você a seguir em frente <3 .

 

Um beijo e até o próximo post!

 

Eu costumo dizer que sou hoteleira de formação e organizadora por paixão! Além de organizar, adoro viagens, fotos e estar junto dos amigos – sou aquela que sempre fica responsável por organizar os encontros 🙂 Quero ser a sementinha da organização na sua vida! Saiba mais

Chegamos! E agora?

Chegamos! E agora?

Planejamos nossa mudança, vendemos nossas coisas, fizemos nossa mala e CHEGAMOS ao destino final! E agora?

Muito do que acontece nesse momento foi planejado bem antes e quando chega aqui, você apenas coloca em prática.

Dependendo do motivo da sua mudança, você terá diferentes tarefas. Exemplo: ver documentação, carteira de motorista, escola, etc. Mas uma coisa que independe o motivo é: onde você vai morar!

A moradia também depende dos seus objetivos, do seu estilo de vida, do quanto você está disposto a pagar e tudo deve ser analisado com cautela.

Meu marido e eu somos bem cautelosos, isso as vezes é muito bom, outras nem tanto. Nesse caso da moradia, achamos bom ir com cautela e por isso optamos por um pequeno, mas aconchegante apartamento, onde não teríamos que nos preocupar com coisas que em uma casa teríamos – tirar a neve do estacionamento, por exemplo. Para nós, ter poucas preocupações nesse início de adaptação era fundamental.

O foco aqui não é sobre assuntos imobiliários, mas como interfere na organização da sua rotina, quero deixar alguns pontos de atenção para te ajudar na escolha da sua moradia:

  • LOCALIZAÇÃO: estar bem localizado é fundamental em qualquer cidade e a boa localização dependerá dos seus objetivos.
    Dependendo do tamanho da cidade onde você vai morar é interessante morar próximo a centros comerciais, pontos de acesso fácil ao transporte público, do lado da faculdade, do trabalho.
    As vezes, o aluguel próximo a estes pontos é um pouco mais caro, mas se você mora muito longe, acaba tendo mais gastos com combustível, com transporte público e de tempo, que convenhamos, é tido como o nosso bem mais precioso.
    Quando estava pesquisando moradia, queria morar próximo a um lago que tem aqui em Moncton – na minha cabeça, eu imaginava o “Parque do Ibirapuera (São Paulo)” e eu indo caminhar e fazer atividades sem pegar trânsito ou pagar estacionamento. Na vida real, a região do lago é linda, mas não tem nenhuma facilidade perto (farmácia, mercado, comércio) e no dia-a-dia eu uso muito mais as facilidades do que o parque e no fim de semana eu tenho várias opções de lazer para escolher e chego com tranquilidade em todas elas.

 

  • TIPO DE MORADIA: casa, apartamento, um quarto, dois quartos, três quartos… Novamente depende de seus objetivos, se você é sozinho, casado, com filhos, sem filhos.
    O que vale levar em consideração é o custo benefício de ter uma moradia grande, se você é um casal, por exemplo, pelo menos no início da nova vida! Por vezes, a diferença no aluguel, por menor que seja, pode ajudar nas compras do dia-a-dia.
    Eu queria ter no mínimo dois quartos, para receber visitas. Mas fiquei pensando “quando eu vou receber visita e com que frequência”? Então, decidimos por um apartamento de um quarto (diga-se de passagem, ele é maior do que o apartamento de dois quartos que tínhamos em São Paulo) e quando vier uma visita, ela dormirá confortavelmente em um sofá cama – apenas não terá um quarto privativo! E sabemos que essa é uma situação provisória e inicial!

    Independente da sua escolha é importante que seja um lugar que te agrade e que você se sinta confortável nele!

 

 

  • MOBILIANDO A CASA: é preciso morar com o mínimo de conforto! Mas nem sempre você conseguirá mobiliar tudo de uma vez, com tudo que você já tinha na sua casa anterior e com a mesma qualidade. Com certeza, você foi construindo sua estabilidade aos poucos e não deve se preocupar em querer tudo de uma vez no seu novo cantinho.

 

Lição 6: Priorize o que é mais importante!

Sugestão:

1) Invista numa cama m a r a v i l h o s a! Você vai dormir nela todos os dias e precisa estar descansado para enfrentar todos os novos desafios que terá pela frente.
2) ‎Priorize a cozinha! Você terá que comer e muitas vezes poderá preferir cozinhar em casa, do que comer fora. Tenha no mínimo o essencial.
3) ‎Depois disso, pense nas outras coisas – sofá, mesa de jantar, decoração, etc.
4) ‎Procure móveis versáteis, por exemplo, “bancos baú” – você senta e ainda pode usá-lo para guardar objetos. Escolha também os móveis que estejam de acordo com seus hábitos – se você é amante de vinhos e quer ter todos os modelos de taça na sua casa, seu armário terá que ser suficiente para acomodá-las.

Tudo isso evitará que você no futuro você fique com coisas entulhadas, porque não tem espaço!

Ah, uma vantagem de não comprar tudo de uma vez só é que você pode procurar os melhores preços e estar atento as promoções!

Agora, entrando num tópico diretamente ligado à organização de residências – tudo aquilo que você coloca dentro dos armários!!!

Antes de tudo, você terá que acomodar sua bagagem e tudo aquilo que trouxe na mala.

Lição 7: Defina os lugares, de acordo com a funcionalidade de cada coisa e de forma que fique prático para você e sua família no dia-a-dia. Siga esse conceito para todo o resto!

Móveis são necessários, mas e todos aqueles cacarecos?!

Lição 8: Lembre que você está começando uma vida totalmente nova. Por que não começar novos hábitos e revisar seus conceitos?

Tenha consciência de tudo o que você está comprando e se você de fato precisa ou apenas quer porque achou bonitinho. Sabe aquela frase que diz “menos é mais”? Se aplica muito bem aqui!

Aproveite esta mudança para de fato mudar, fazer diferente e levar uma vida mais leve!

Por hoje é só! Se você quiser que eu aprofunde em algum tópico é só me avisar! Ficarei feliz em te ajudar! 😊

Um beijo e até o próximo post!

Eu costumo dizer que sou hoteleira de formação e organizadora por paixão! Além de organizar, adoro viagens, fotos e estar junto dos amigos – sou aquela que sempre fica responsável por organizar os encontros 🙂 Quero ser a sementinha da organização na sua vida! Saiba mais

 

Tudo sobre nosso Bazar Presencial!

Tudo sobre nosso Bazar Presencial!

Agora é a vez de falar do nosso Bazar Presencial!

Tudo o que não conseguimos vender online, colocamos no Bazar Presencial! Foi um estilo “Família muda e vende tudo” rsrs.

A primeira coisa que fizemos foi verificar uma data que estaríamos em casa, o dia todo, para que pudéssemos receber as pessoas. Escolhemos um final de semana e determinamos um horário.

Fizemos um convite impresso e colocamos em baixo de cada porta do edifício onde morávamos (dica valiosa que uma amiga me deu!). Mesmo não conhecendo a maior parte dos vizinhos, nós chamamos – foram aproximadamente 50 apartamentos convidados.

 

Distribuímos todos os itens na casa – em cima da mesa, do rack, da pia e até da tábua de passar roupa! Em alguns casos, nós deixamos a porta dos armários aberta, pois já não tinha mais espaço para expor! Procuramos colocar itens similares próximos, como se fossem sessões!

 

 

 

 

 

 

Preços!

De início achei que seria fácil verificar os preços na “Planilha” e falar para as pessoas – mas não deu certo! As pessoas chegaram ao mesmo tempo e como haviam muitos itens, acabava demorando um pouco para encontrar o valor!

Lembrei do post it – Fiz preço de tudo e colei os “post its”! Desta forma a pessoa já via o preço do que estava interessada. Maaaas, não deu muito certo também! A cola soltava, ventava, quando a pessoa pegava o produto o preço caía e daí tinha que lembrar de qual produto era aquele preço …

Por fim, usei post it mesmo e uma massinha própria para colar na parede, fiz o preço com o nome do produto e colei na parede ou no próprio item. Desta forma, a pessoa via o item e podia consultar o valor! Foi o jeito mais efetivo que consegui – massinha milagrosa essa rsrs!

 

Pegou, pagou, levou!

Precisávamos vender as coisas e desocupar o apartamento, então, a preferência era que a pessoa já levasse na hora. Para isso, se você morar em prédio, lembre-se de perguntar o horário limite para “carga e descarga”.

No primeiro dia do Bazar, vendemos a mesa de jantar e o carreto que a pessoa contratou foi no mesmo dia, porém, fora do horário permitido pelo prédio. Como era só a mesa, o porteiro abriu uma exceção e deixou entrar, mas é bom não arriscar, né?!

A única exceção para entrega imediata foi para a geladeira e a cama, que negociei com a vizinha a data da entrega, pois ainda estávamos no apartamento. Ela pagou 50% como garantia e a outra metade quando ela retirou.

Veja, que a organização do bazar e da mudança vai muito mais além … Você precisa levar em consideração onde vai comer e dormir, por exemplo!

 

Reservas de produtos

Como comentei no post anterior, reservas não são legais, porque as vezes aparece alguém interessado no produto. Se a pessoa que reservou desiste, você fica ligando de volta para aquela que ficou em lista de espera e, novamente, tudo o que você não precisa em um processo de mudança são mais coisas para se preocupar. O processo tem que ser leve e isto significa simplificar! Evite reservas!

 

E agora? Vendi tudo!

O objetivo é esse – vender tudo – não é mesmo?

Então, você também precisa organizar a sua rotina e o seu orçamento!

  • Vai se hospedar em um hotel?
  • Fará as refeições fora de casa todos os dias?
  • Dormirá na casa de algum parente? Por quanto tempo?

Estas questões irão te auxiliar na hora de determinar o que você vai vender!

 

Acho que o “Universos conspirou a nosso favor” e deu tudo muito certo!

– Nosso fogão era embutido e optamos por não vender, então, enquanto tive geladeira, podia fazer comida.

– Vendi as panelas para um familiar do interior, que eu iria visitar e entregar pessoalmente. Pudemos usar até o último momento.

– Negociei a entrega da geladeira e da cama, então, conseguimos ficar em casa até o último dia! Fazendo poucas refeições fora de casa!

 

Não vendi tudo! E agora?

Se você puder fazer o bazar com antecedência, terá mais tranquilidade se isso acontecer. Poderá marcar uma outra data e/ou divulgar para mais pessoas. Planejamento é tudo na nossa vida! Rsrs

Nós vendemos bastante coisa no nosso bazar, mas não tudo o que esperávamos ☹ Então, fizemos um “Bazar Itinerante” hahaha.

Como foi isso?

Somos alunos da escola DeRose Method Plaza Sul – uma escola que trabalha a reeducação comportamental através de técnicas e conceitos, entre eles o conceito de “boas relações humanas”. E, numa aplicação super prática deste conceito, a Diretora da escola autorizou que expuséssemos os itens remanescentes para que os alunos pudessem ver! E assim, conseguimos vender um pouco mais!

Fora isso, viajamos para algumas cidades para visitar a família e levamos também!

As coisas “grandes” e teoricamente as mais caras também foram vendidas bem rapidinho, mas tínhamos muitas miudezas, acessórios de moto, objetos organizadores e que no montante final, sua venda daria uma boa ajuda! Então, não desistimos de nada!

Bom, se eu puder resumir esse post nas principais etapas para você fazer o seu bazar, penso que as principais informações seriam:

  • Programe seu bazar com antecedência.
  • Determine uma data para o bazar.
  • Convide os vizinhos / amigos em geral.
  • Exponha os itens de forma que fique fácil para as pessoas verem e para você pegar.
  • Faça etiquetas com os preços e cole na parede ou no próprio item, com cuidado para descolar – vale usar até durex!
  • Fique disponível no dia do bazar para receber as pessoas 😊

 

Acho que é isso! Te ajudou? Te inspirou? Conta pra mim!!

Um beijo

 

Eu costumo dizer que sou hoteleira de formação e organizadora por paixão! Além de organizar, adoro viagens, fotos e estar junto dos amigos – sou aquela que sempre fica responsável por organizar os encontros 🙂 Quero ser a sementinha da organização na sua vida! Saiba mais